A noite prometia com muita empolgação e diversão, mas o céu também prometia com nuvens escuras, esse já poderia ser o enredo do Show do Metallica no estádio do Morumbi, mas o público de mais de 60 mil pessoas queria mais que isso, e os caras mais “badass” do metal fizeram seu papel e deram aquilo que eles queriam.

Show do Metallica e só isso que queríamos

A entrada foi tranquila e pouco mais depois das 19h os caras da banda de Raven entraram no palco e fizeram a abertura do espetáculo, mas que abertura?

O som estava horrível, o vocalista com aquele microfone de boyband na cara que não retornava som algum, bateria abafada, e guitarras solitárias, fez de protagonista o back vocal, o qual era o único a ser escutado, e de forma engraçada com esse único microfone funcionando, e ninguém reportando as falhas de som, esse show foi uma tremenda decepção, quem sabe da próxima Raven.

É isso, o Show do Metallica

Com a previsão do tempo sendo realizada e a fina garoa fazendo jus a reputação da cidade de São Paulo, o atraso do Metallica virou um simples detalhe quando as primeiras notas foram tocadas. Eu pensando que escutaria um início de show com o “One” e os caras me surpreendem com “Battery” carregada de energia positiva, fazendo toda a galera pular, mas não acabou por aí, porque o “Mestre dos Bonecos” ordenou, e pulamos mais ainda com isso, nos debatendo e gritando de alegria, paramos somente depois de “Welcome Home (Sanitarium)” para ouvir o James conversar um pouco e dizer algumas palavras:

Gimme fuel
Gimme fire
Gimme that which I desire

Show do Metallica no Estádio do Morumbi

O melhor do Metallica

Ainda empolgado “The Unforgiven” foi nostálgico, e para reacender o público os caras me tocam uma música nova, toda trabalhada e robusta enchendo o ouvido da galera com o puro metal rápido e poderoso.

A introdução de alguns fãs para apresentar algumas músicas deu fôlego para a banda, que após “Sad But True” e “Fade To Black“, detonou com de “…And Justice For All“, “One” e “For Whom The Bells Tolls” cantadas e exaltadas. Mais uma pausa para o Metallica conversar com a galera e chamar mais um fãs para invocar outra música, “Creeping Death” que tirou todo mundo do seu estado de acomodação.

Parecia que “Nothing Else Matters” e “Enter Sadman” cantadas ao pé da letra por milhares de vozes seriam o suficiente, e com certeza o ápice do show, trazendo emoção para toda a galera que fazia o estádio do Morumbi tremer de satisfação.

Show do Metallica no Estádio do Morumbi - Ápice do Show

Show do Metallica e mais!

Mas eis que temos mais um fã fazendo as honras e anunciando uma música que no setlist nem me empolgava tanto, até por ser um cover, mas quando eles começaram a tocar, “Whiskey in the Jar” empolgou todo mundo.

E como prometido o Metallica deu aos fãs o que eles queriam, pois por mais que eu quisesse e votasse para escutar “Ride The Lightning” a maioria queria escutar “The Day That Never Comes” (música escolhida na votação por SMS), e foi isso que tiveram, uma música tocada com vigor e perfeição e aquele dia podia não ter mesmo acabado. E aí o último fã chegou na bateria do Lars e tocou 3 vezes com a baqueta em seu prato, e “Seek and Destroy” tomou seu posto de encerramento, procurando e destruindo tudo o que restou para nos devolver a chuva.

Show do Metallica no Estádio do Morumbi - Quebrando Tudo

Espero que tenham curtido a crônica.

Fontes: Imagens retiradas da internet e do G1